Aprimorando as interfaces de um aplicativo de captação de investidores
24 de fevereiro de 2022
 

Ajudando a trazer consciência financeira para a criançada.

Resumo

Para muita gente, falar de dinheiro é um grande tabu, não importa com quem seja.

Com as crianças, então, pior ainda, como os pequenos vão entender de um assunto que tanto adulto tem dificuldade, não é mesmo? Mas é aí que se enganam. A educação financeira infantil deve ser cada vez mais inserida nas rotinas das famílias. Isso porque é na infância que aprendemos muitas lições valiosas, levadas para a vida toda.



Desafio

Criar um aplicativo financeiro para crianças que seja simples, divertido e que desde cedo comece a conscientizar os pequenos da importância de economizar dinheiro.

 


Metodologia de Design

Double Diamond

Usei o processo de design think chamado de Double Diamond que me ajuda a capturar os pontos em comum do processo criativo e divide em 4 fases distintas: descobrir, definir, desenvolver e Entregar.


Descobrir


Objetivos e Metas

Quero descobrir o comportamento do público-alvo em relação à poupança e também descobrir padrões que intrigam o comportamento para criar consciência. Devido a limitações de tempo, fiz apenas pesquisa documental através da busca de significado financeiro para crianças na internet e também com minhas suposições sobre esse problema e uma possível solução para ele.

Mesada para as crianças

Numa pesquisa realizada pelo SPC Brasil mostra que a Média de idade em que filhos começam a receber mesada é de 9 anos. Valor médio é de R$ 123; somente 40% fazem poupança para os filhos.


O que as crianças brasileiras pensam sobre dinheiro?

Neste vídeo excelente produzido pelo pessoal do Guiabolso podemos ter uma percepção clara do que as crianças pensam sobre dinheiro.


Como é o comportamento digital das crianças?

Usando dados de pesquisa feita pela empresa de cibersegurança Kaspersky e pela consultoria de pesquisa CORPA descobrir as seguintes informações:



Principais diferenças de comportamento entre crianças e adultos quando usam internet e aplicativos.


Numa pesquisa feita pelo Nielsen Norman Group sobre crianças na web apresenta as diferenças de paradigmas entre crianças e adultos no comportamento digital.


CriançasAdultos
Objetivo ao visitar websitesEntretenimentoCompletar tarefas/Comunicação/comunidades
Primeiras reaçõesRápidas ao julgar o site e sair caso não aprove.Rápidas ao julgar o site e sair caso não aprove.
Disposição para esperarQuerem gratificação instantânea.Tem paciência limitada
Seguir convenções de UIPreferidoPreferido
Controle de usuárioPreferidoPreferido
Comportamento exploratórioGostam de experimentar muitas opções. Varrem a tela.Mantém-se no caminho principal
Navegação múltipla/redundanteMuito confusaLeemente confusa
Botão voltarNão usado (Crianças e jovens)
Dependem/confiam (Crianças mais velhas)
Dependem/Confiam
LeituraNão leem (Crianças muito jovens)
Experimental (Crianças jovens)
Exploram (Crianças mais velhas)
Exploram
Nível de leiturabilidadeDe acordo com o nível escolarNível do ensino médio para a maior parte dos consumidores
Metáfora da vida real
(Por exemplo, navegação espacial)
Ajuda os que não leemMuitas vezes distraem, ou são muito desajeitadas para UI online.
Tamanho da fonte14pt (Crianças jovens)
12pt (crianças mais velhas)
10pt (Até 14pt para adultos mais velhos)
Limitações físicasDigita vagarsamente, pouco controle de mouse.Nenhuma (a não ser que tenha necessidades especiais)
RolagemEvitam (Crianças e Jovens)
Até certo grau (Crianças mais velhas)
Até certo grau
Animações e sonsGostamGeralmente não gostam
Publicidade e PromoçõesNão conseguem distinguir do conteúdo realPublicidade evitada (Cegos aos banners)
Promoções vistas com ceticismo.
Revelar informações importantesNormalmente conscientes de problemas: hesitantes em divulgar informaçõesMuitas vezes, de forma imprudente, sispostos a revelar informações
Idade-Alvo para o designCrucial, com distinções muito refinadas entre as faixas de idadeNão importante para a maioria dos websites (a não ser para adultos mais velhos)
BuscaMaior dependência de favoritos do que da busca, porém, crianças mais velhas usam a buscaMaior ponto de entrada para web.

Fonte: Nielsen (2010, online)

“O cognitivo das crianças ainda está se desenvolvendo, então suas habilidades de raciocínio são mais fracas do que as dos adultos. Para ajudá-los a usar uma interface com sucesso, o design deve exibir instruções claras e específicas, aproveitando os modelos mentais das crianças e o conhecimento prévio.”

Desidning for kids: Cognitive considerations.

Definir

Depois de toda essa pesquisa documental e análise de todas as informações, aqui estão meus destaques importantes antes de esboçar os rascunhos do conceito.



Carteira Virtual

Criação de um espaço reservado para carteira virtual para economia.



Pequenas Lições

Aprender finanças com pequenas lições, vocabulários e vídeos.



Gamificação

Elementos de gamificação para falar na linguagem infantil.



Tarefas diárias

Tarefas diárias para se tornar mais responsável.



Recompensas

Recompensas para motivar as crianças a ganhar mais e terminar as tarefas.



Supervisão dos pais

Supervisão dos pais para resolver problemas e aprender coisas novas.

Personas


Wireframe


Depois de desenvolver minha persona principal e identificar minha tarefa, inicio com os processos de protótipo. Nele coloco de uma forma bem simples como poderá ser o app esboçando soluções em mockups rápidos feitos no figma.


Fonte usada no projeto

Benchmarking


Comecei a olhar para diferentes aplicativos de inspiração no Dribbble e coletei algumas das imagens da interface do usuário. O uso de layout de cartão para livros e iconografia simples e clara foi selecionado para facilitar a usabilidade, pois imagino que meu aplicativo seja usado não apenas pelos pais e filhos, mas também pelos avós das crianças.

Fonte usada no projeto

Cores

A escolha das cores em aplicativos infantis é uma das etapas mais importantes do processo de Ui design. Optei por escolher cores que representassem os desejos de um público-alvo tão exigente quanto as crianças. Começando pelo violeta que é uma cor capaz de estimular a imaginação e criatividade, passando pelo amarelo que é uma cor que pode transmitir ideia de otimismo, visto que é considerada uma cor acolhedora.

Cores usadas na interface

Tipografia


A tipografia escolhida para o aplicativo foi a Calibri. uma das vantagens desa fonte é que ela possui uma grande família com diversidade de pesos, o que facilita a hierarquização entre os textos.

Fonte usada no projeto

Botões


Cores usada no projeto

Componentes


Icones


Cores usada no projeto

Ui design das telas do aplicativo


Desafios e Aprendizados

Este é um projeto que tenho um carinho especial, pois foi uma grande experiência de aprendizado em um espaço de tempo tão pequeno.

No andamento do projeto quase sempre a gente pega o caminho errado, por isso a importância dos testes e validações junto aos usuários, os dados dessas pesquisas nos ajudam a alinhar a direção. Em suma este projeto me ajudou a aprimorar um pouco mais a abordagem de design think.

O que ainda pode ser feito?

Testes de usabilidade,

Uma pesquisa mais aprofundada além de um acompanhamento dos resultados para validação do produto,

Entrevista com algumas crianças para fazer meus testes de usuário e me certificar de que o aplicativo está sendo bem compreendido não apenas pelos adultos, mas também pelas crianças.

#PeopleFirst!